Para divulgação imediata
18 maio 2004

Perguntas e Respostas para Gerentes de Rede

Que tipo de equipamentos ativos você usa?

Isso irá determinar a iniciativa apropriada na escolha da categoria de cabeamento adequada. Se for da marca 3Com, ou se você ainda não decidiu, podemos auxiliá-lo com quaisquer dúvidas que possam surgir sobre cabeamento, envolvendo a 3Com durante a consulta. Iremos também prepará-lo para a famosa afirmação da Cisco "Precisamos somente da Categoria 5e". Se possível, obtenha os valores comparativos, no caso de surgirem quaisquer dúvidas. Se houver planos de instalação de novos equipamentos ativos (particularmente para aplicações a 1Gb/s), e a insistência pela Categoria 5e, certifique-se de que o usuário final esteja ciente de que a antiga Categoria 5 (que tiver sido instalada antes do mais recente padrão 5e) deve ser re-certificada para os parâmetros estendidos pelo TSB 95. No mínimo você deveria sugerir que as conexões para "power users" sejam Cat. 6 ou superior.

Qual é a velocidade que você emprega nos seus desktops e qual velocidade você espera empregar nos seus desktops em 3-5 anos?

Se houver mudanças para Gigabit, Categoria 6 ou 10G 6 será uma venda fácil baseada na imunidade de ruído e nas menores taxas de erros de bit. Se for 10/100 e planejam permanecer assim, eles provavelmente irão considerar a Categoria 5e. Você precisa reafirmar que a tecnologia avança a passos rápidos - basta olhar para os últimos 10 anos. Quando a Cat. 6 foi introduzida em 1999, não haviam aplicações. A decisão de ficar com a 5e ao invés de 6 no passado é dispendiosa atualmente. Estima-se que se 10 enlaces de cabeamento forem substituídos num sistema de 100 pontos, a economia é completamente desprezível e em ambientes de 24x7, como hospitais, onde o transtorno causa um custo adicional, a economia pode ser tão baixa quanto a instalação de 5 pontos1. Certifique-se que eles saibam que todos os novos sistemas fazem uso de cartões de 10/100/1000 com capacidade de Gigabit e que, os novos switches têm e terão a mesma capacidade de Gigabit pelo mesmo custo. Use o argumento do ruído para persuadí-los a adotarem a 10G 6 ou no mínimo a Categoria 6. Se eles já fizerem uso do Gigabit e tiverem algumas workstations que passarão para 10G - abra o champanhe - você conseguiu uma oportunidade de ouro!

1Examine nosso novo artigo intitulado, Cabling Life Cycles and Laws of Networking Communications" (Em breve disponível em Português).

Você tem uma configuração "power user" que difere dos seus desktops padrões?

Se você não puder ter todo o sistema na Categoria 6 ou superior, você poderá atrair os power users. Então você pode argumentar que eles estarão administrando um ambiente misto. Esta também é uma oportunidade para a Categoria 7, para assegurar um desempenho 10G ou talvez fibra para o desktop. Se eles já estiverem operando com fibra para o desktop (FTTD, Fiber To The Desk), eles provavelmente estarão tendo problemas com patch cords, o que é comum. Os usuários eliminam esses problemas, involuntariamente. Se de fato eles tiverem power users, talvez seja uma boa oportunidade de questioná-los sobre a atualização do cabeamento dos servidores que eles utilizam nos Data Centers, ou talvez de todos os servidores. Lembre-se de explicar que a instalação do sistema Categoria 6 ou 10G 6 no presente, representará uma economia no futuro, reduzindo a necessidade de re-cabeamento. Eles podem fazer uso de uma infra-estrutura Cat 6 ou superior nas paredes e encaminhamentos e usar path cords Cat 5e da SIEMON de menor custo se houver necessidade de economia. Visto que o trabalho de instalação de cabos, tanto para Categoria 5e ou 6 é o principal fator de custo, o aumento de custo associado será menos significativo. Isto o qualificará para uma garantia de enlace permanente podendo posteriormente ser atualizada para uma garantia de canal simplesmente substituindo os patch cords da SIEMON da Cat 5e para Cat 6 ou superior. Note que a garantia de enlace dá cobertura para o enlace permanente (sem os patch cords) e a garantia de canal dá cobertura para todo canal, incluindo os patch cords.

Você espera operar com 10G dentro dos próximos 10 anos?

10GbE sobre fibra já é um padrão. Em junho 2002, o padrão 10GBASE-T, IEEE 802.3ae para fibra, foi finalizado e 40 Gb/s sobre fibra já está em desenvolvimento. 10GBASE-CX4 (10G sobre twinax já é um padrão projetado para Data Centers, mas somente para comprimentos de 15m - o conector TERA é capaz de estender essa distância até 25m).

A Lei de Moore diz que a tecnologia irá continuar a evoluir a passos nunca antes imagináveis. As indústrias que fazem investimentos em suas redes estarão normalmente gastando 5% de seu orçamento com rede, no sistema de cabeamento, que irá atender a 100% de suas necessidades de negócios. O sistema de cabeamento deve ser projetado para durar pelo menos 10 anos, nos quais os equipamentos ativos terão evoluído e sido substituídos 2 ou 3 vezes. Os usuários finais deverão instalar o melhor sistema de cabeamento disponível atualmente - o 10 G ip. Convide-os a assistir o webinar no "Maximize Uptime and Protect your ROI with your Cabling". (Maximize o Tempo de Operação e Proteja seu ROI - Return Over Investment - com seu Cabeamento).

Certifique-se de que eles saibam que um grupo de estudos do 10GBASE-T foi aprovado por membros do 802.3 e se tornarão oficialmente uma Força Tarefa. Isso significa que o desenvolvimento do 10G sobre o cabeamento de pares trançados está a caminho de se tornar um padrão, previsto para julho de 2004 para a primeira redação e julho de 2006 para publicação final. O 10GBASE-T será conhecido como P802.3an.

Os objetivos são os seguintes:

  • Atender a operação sobre 4 pares, cabeamento de pares trançados de cobre para todas as classes e distâncias atendidas.
  • Definir uma única camada física 10 Gb/s para atender enlaces de:
    • Pelo menos 100m sobre cabeamentos balanceados de cobre de 4-pares Classe F (Categoria 7)
    • Pelo menos de 55 a 100m sobre cabeamentos balanceados de cobre de 4-pares Classe E (Categoria 6)
  • Atender a uma BER (Bit Error Rate) de 10-12 sobre todas as classes e distâncias atendidas.

Além do IEEE, a TIA está examinando o desenvolvimento de dois adendos adicionais para ANSI/TIA/EIA-568-B.2 no que se refere ao atendimento do 10GBASE-T a seguir:

  • TIA/EIA-568-B.2-10 "Cabeamento Categoria 6 aumentada" Este adendo foi elaborado para cabeamento e especificação de componentes e procedimentos de teste para atender a 10GBASE-T sobre 100 metros de cabeamento estruturado de par de cobre trançado balanceado.
  • TIA/EIA-568-B.2-11 " Investigação do desempenho do cabeamento balanceado até 625 MHz para cabeamentos TIA categorias 5e e 6 para aplicações IEEE 802.3 10GBASE-T" O objetivo deste adendo é estudar as medições de desempenho de transmissão de cabeamento das categorias 5e e 6 e Alien Crosstalk até 625 MHz, incluindo a relação de parâmetros de transmissão e de alien crosstalk e seus testes de campo e atenuação.

É importante notar que a Categoria 5e não está incluída nos objetivos. A Categoria 6 (expandida com características de desempenho acima de 625 MHz) será considerada para comprimentos de 55 a 100m (a distância final deve ser ainda determinada baseada na eletrônica) e 100m será atendido pela Categoria 7/Classe F. Este é um excelente argumento de venda adverso ao sistema Categoria 5e, para uma empresa que esteja empenhada em ter um cabeamento com ciclo de vida duradouro para atender à sua eletrônica. Este também é um excelente argumento de venda da Categoria 7, principalmente para Data Centers e para clientes que tenham ambientes com ruídos ou necessidade de aplicações de alta velocidade, tais como CAD/CAM, gráficos complexos, imagens radiológicas e centros de imagens para medicina. Como o nome 10G ip pressupõe - maiores larguras de banda são necessárias para atender as diversas aplicações que agora estão convergindo para a rede IP.

Esclareça que o TERA e o ScTP 10G 6 pendente eliminam o Alien Crosstalk, o que atualmente os tornam capazes de atender a 10GBASE-T sobre um canal de 100 m com 4 conectores. Os produtos blindados da SIEMON diferem do antigo sistema blindado da IBM. Esclareça também como os conectores 10G 6 ScTP MAX e TERA terminam a blindagem.

Você está planejando trafegar VoIP ou outras aplicações convergentes?

Aplicações convergentes e de rede que diferem das do tráfego de dados comuns precisam de cabeamento com desempenho superior. A imunidade contra ruído fornece alguma proteção para o tráfego de VoIP porque as taxas de erro de bit, bem como retransmissões, não são aceitas para o tráfego de voz. Isto também tem o potencial de aumentar a quantidade de pontos por área de trabalho se outras aplicações ou dispositivos forem usados.

Você está planejando trafegar aplicações de multimídia ou de vigilância usando vídeo IP?

Poderá haver a necessidade de alguns pontos no teto. Se eles estiverem trafegando multimídia, é vantajoso na Categoria 7 usar uma saída de 4 pares para aplicações múltiplas - 1 par para voz, 2 pares para 10/100BASE-T, e outro par para vídeo. Descubra também se eles estarão entregando alimentação pelos pares. Todos os nossos sistemas permitem a implementação de Power over Ethernet.

Quantos sistemas sem fio você está utilizando ou planeja utilizar?

Certifique-se de que o cliente saiba que isso pode de fato aumentar o número de cabos. Para estar em conformidade com o padrão - 2 pontos são necessários para cada área de trabalho. Pontos de acesso sem fio (WAP´s) no teto irão necessitar de um ponto adicional. Escritórios não-cabeados tem um valor de revenda e/ou aluguel inferior. Sugira a instalação de cabos adicionais para os pontos de acesso entre aqueles que eles acham que necessitam, já que muitas empresas acabam instalando mais pontos de acesso do que o necessário. Você também deve notar que o sistema sem-fio é um meio de aplicação compartilhado. De dez a vinte usuários irão usar a largura de banda em um cabo conectado a um transmissor de rádio e antena, que introduz EMI (Electromagnetic Interference) dentro dos espaços que eles ocupam. Um cabo de baixo desempenho irá prejudicar todos os vinte usuários e pode aumentar o número de pontos de acesso (entre US$ 250 e US$ 400 cada). Muitos desses dispositivos são alimentados via sistema de cabeamento UTP como parte do padrão Power over Ethernet (PoE), 802.3af. A imunidade de ruído adicional de um canal TERA aliado ao aumento da largura de banda proporcionará um desempenho excepcional para alimentação WAP's.

Qual a velocidade do seu backbone?

Se a velocidade for 1Gb/s no momento, eles podem ser candidatos para 10G dentro do ciclo de vida do sistema. Se for somente 10/100 sem planos de melhoria, será difícil a venda da Categoria 6 e superior. Se eles estiverem utilizando Gigabit atualmente e tiverem interconexões com fibras com outros edifícios - esta é uma oportunidade de atualização das fibras se tiverem utilizando fibras multimodo já existentes. É também importante observar que se o backbone utilizado for menor que 100 metros, o cobre pode representar uma economia sobre a fibra. Uma porta de cobre de desempenho superior Categoria 6 (10G 6) representa normalmente cerca de 1/3 do custo de uma porta de fibra.

Quanto de fibra você utiliza atualmente? É multimodo ou monomodo e qual a configuração (conectores, diâmetro e classificação)?

A substituição das fibras antigas pode ser necessária se houver planos para a utilização de 10G antes das melhorias para permitir algumas operações sobre a fibra multimodo já existente. Além disso, se eles não estiverem utilizando fibras e não tiverem planos de expansão, existem outras oportunidades. Se eles estiverem tendo problemas com as fibras monomodo e multimodo, a substituição pode ser conveniente, principalmente se a distância representar um problema, e eles estiverem utilizando fibras multimodo em longas distâncias.

Qual a distância do seu mais longo segmento de cobre? Qual a distância do seu mais longo segmento de fibra?

As distâncias são importantes, especialmente se você estiver trafegando novos serviços simultaneamente aos já existentes. Essas questões irão ajudá-lo a determinar a necessidade de um compartimento de telecomunicações intermediário, que tipo de fibra será exigida, e ajudar o cliente, a saber, se ele ou ela está dentro da especificação. Também observe a questão sobre o backbone acima. A distância máxima para um canal de cobre é de 100m, e as distâncias para fibras são mostradas na tabela abaixo:

Aplicação

Comprimento de onda

62,5MMF 160/500

62,5MMF 200/500

50MMF 500/500

50MMF 2000/500

SMF

100BASE-SX

850nm

300m

300m

300m

300m

 

1000BASE-SX

850nm

220m

275m

550m

550m

 

1000BASE-LX

1300nm

550m

550m

550m

550m

5km

10GBASE-SX

850nm

28m

28m

86m

300m

 

10GBASE-LX

1310nm

       

10km

10GBASE-EX

1550nm

       

40km

10GBASE-LX4

1310nm

300m

300m

300m

300m

10km

Essa pergunta também está relacionada à questão da eletrônica. Como pode ser visto, há diversas variedades de interfaces de fibra que requerem vários tipos de fibras e conectores. Conhecer a interface do conector usado na eletrônica do equipamento ativo certificará que estamos oferecendo os componentes corretos. Jumpers de fibra híbridos também podem ser usados se necessário, para converter uma interface em outra, mas cuidado, porque a 10G ou aplicações monomodo com interface MT-RJ não são garantidas. Também é importante notar que as únicas interfaces atendidas atualmente pelo equipamento ativo 10G são as SC e LC.

Outra observação sobre o cobre é que quanto mais longo o segmento de cabo, maior será a possibilidade de ser roteado próximo a lâmpadas fluorescentes, encaminhamentos de potência ou a existência de outras fontes de interferência (EMI) e RF (Rádio-Freqüência) que irão degradar o sinal. Quanto mais longo o segmento, mais imunidade de ruído será necessária. Enquanto as práticas de instalações apropriadas encaminham os cabos a distâncias seguras, as redes crescem, as paredes dos prédios são alteradas, e novos serviços são adicionados a esses mesmos espaços, os limites de distância não podem sempre permanecer os mesmos.

A SIEMON
Fundada em 1903, a SIEMON é uma empresa líder especializada na fabricação e inovação de soluções de cabeamento de redes de alta qualidade e alto desempenho. Sediada em Connecticut, EUA, com escritórios globais e parceiros em todo o mundo, a SIEMON oferece a mais abrangente gama de soluções de cabeamento em cobre (blindado e sem blindagem) e fibra disponível. Com mais de 400 patentes ativas específicas em cabeamento estruturado, os laboratórios da SIEMON investem significantemente em Pesquisa e Desenvolvimento e no desenvolvimento de padrões da indústria, reforçando o compromisso duradouro da empresa com seus clientes e com a indústria.

Contato para Informações
Marcelo Fontoura
Country Manager
AV. QUEIROZ FILHO, 1700 - TORRE SKY, SALA 401
VILA LEOPOLDINA - SÃO PAULO - SP
SÃO PAULO, SAO PAULO
05319-000
BRAZIL
Tel: +55 11 3831-5552

VersaPOD
Pergunte à Siemon
Respostas para suas questões sobre produtos específicos e soluções
» Obtenha Respostas
Estudos de casos és mejor y tiene menos espacio
Finanças, Governo, Educação, Saúde, Manufatura, e mais...
» Leitura de Estudos de casos